19 de jul de 2017

Espaços de liberdade e ócio se estreitaram

Por: Eliana Rezende

Uma metáfora interessante para a vida que temos e levamos.
De repente os muros que cercam nossas cidades e vidas estão cada vez mais altos numa busca frenética por segurança.
A vigilância permitida acaba sendo um consenso para a vida contemporânea e ninguém já se incomoda com câmaras em locais públicos, entradas de residência, prédios e locais de trabalho. É o que em outro post chamei de vigilância consentida.

Explora-se na Arquitetura o chamado conceito aberto, onde espaços integrados dão ao seu usuário a sensação de estar integrado a tudo e todos. Mas ao mesmo tempo os indivíduos vivem cada vez mais o que denominei de contradições em vidas modernas.

Em verdade, os muros aqui não são de proteção e segurança. Muito ao contrário! São muros de estreitamento, cerceamento de liberdade através da exposição continuada.


Mas numa situação até paradoxal e quase que numa exata proporção, nossos espaços de liberdade,  sonho e ócio se estreitaram. Cada vez mais nossos espaços de exercitar momentos de intimidade com nossos devaneios e liberdade com pensamentos, fantasias, sonhos se restringem.
A conexão em tempo integral torna todos conectados todo o tempo. E simplesmente desligar-se de tudo parece ser pecado mortal que tem como sentença final estar fora do mercado, não ser considerado responsável e até profissional. A intensificação de exigências para mantermo-nos ocupados  tornará em pouco tempo insustentável uma vida saudável e de satisfação.

Cada vez mais as pessoas deixam ter tempo e espaço para estar consigo mesmas. Descobrir não a solidão, mas o valor da solitude (estar acompanhado de si) e o que é melhor: achar que está em boa companhia.

Até mesmo espaços onde ficávamos absolutamente a sós com nossas necessidades, como era o caso dos sanitários, são hoje espaços de sons e teclas, quando alguns mais afoitos até WhatsApp usam!
Outros vão ainda mias longe: nem mesmo quando vão ao banho conseguem se desconectar de sua coleira eletrônica.
Invasores e invadidos todo o tempo. Ou estamos de um lado ou estamos de outro....


Mas este estreitamento invasivo de espaço não acontece apenas nos chamados espaços institucionais/corporativos quando as coleiras digitais dão o tom e a direção de onde devemos ir, com quem e a que ritmo.

O estreitamento a que me refiro pode ser ainda muito mais avassalador e invasivo: atinge até mesmo os que ainda nem chegaram ao mercado de trabalho.

Perceba como nossas crianças estão cada vez mais reféns de atividades, horários, "compromissos". Em muitos casos, cumprem funções que pais e responsáveis acreditam que seja útil para a sua vida profissional futura. São aulas de inglês, espanhol, informática, e até as consideradas práticas esportivas visam "proteção", como é o caso de capoeira, karatê, lutas marciais e afins. As atividades recreativas cumprem horários que, em geral, os pais precisam para mantê-los ocupados até retornarem do trabalho. Compulsivamente, seus responsáveis os atiram de uma à outra atividade, numa roda viva que leva muitas crianças a estarem sempre estressadas, desmotivas, resmungonas.
E com razão!
Para estes casos, a pergunta que não quer calar é: e o tempo de devanear, brincar, olhar nuvens no céu e simplesmente imaginar? Não seria melhor que simplesmente fossem-lhes dado tempo para brincar, fazer de conta? Momentos daqueles que castelos se fazem com nuvens e onde a mente simplesmente passeia?

Inúmeras pesquisas dão conta de que a criança ao brincar, em verdade está exercitando suas relações, aprendendo a tecer e fortalecer laços, encontrar soluções e aumentar sua criatividade e flexibilidade, aprendendo desde cedo a lidar com negociações, frustrações e limites (seus e dos outros).

Como uma geração crescida desta forma poderá ser depois cobrada por criatividade?! Respeito aos espaços alheios?
Não é um contrassenso?

____________________
Posts Relacionados:

A arquitetura do medo e a vigilância consentida

Vida sustentável nas Cidades é Cultural. E, isto se aprende!

Geração Touchscreen

Nossa vida é nossa primeira ficção

Ruídos do silêncio

*

O Blog em sua página do Facebook:

Meu Portal: ER Consultoria | Gestão de Informação e Memória Institucional
No Twitter: @ElianaRezende10
No Instagram: elianarezende2801


30 de mai de 2017

Leitura em tempos de textos visuais

Por: Eliana Rezende




Fenômeno estranho o que estamos assistindo.

A invasão imagética tem sido de tal ordem e magnitude que outro dia parava e pensava sobre o que eram simples textos. Ideias justapostas em parágrafos e que, em sendo construídos, chegavam a ocupar páginas inteiras.

Hoje temos uma economia de sentidos que possibilita o uso de textos curtos mas não mais em formas de parágrafos justapostos, mas de imagens. E nesta profusão de conteúdos sintéticos com perfil de fotografia vamos encontrando de tudo: de frases de autoajuda, palavras de ordem, desafios cognitivos, tentativas de pequenas piadas e críticas sociais, até o seu posposto: incitamento ao ódio, violência, xingamentos, xenofobias, preconceitos.

Os textos - se escritos são pura e simplesmente economia silábica e há todo momento saltam dos mesmos listas, enumeração e pontos: sempre temos a sensação de que saímos de vez de um texto de Word e entramos direto numa apresentação em PPT.
Cansativo, repetitivo.


Ou seja, a sociedade passou a ser amplamente imagética e pergunto-me quase que ao mesmo tempo em que respondo que isto ocorre por demanda de velocidade e pressa. Ler passa a ser um item de luxo e a máxima "uma imagem comunica mais que mil palavras", parece ser o objetivo perseguido.
Seria isso ser bem vindos à Era da Informação?

No rol das imagens, e talvez por ser ainda mais rápido, são acrescidos sons e imagens. Os vídeos ganham popularidade na forma inversamente proporcional em que conteúdo, forma e compreensão se perdem.


A cultura visual economiza silabas e cria como forma de interação emoticons.
Para quê uma frase inteira?!
E assim seguimos, cada vez mais produzindo cifras de todas as ordens.
O século XXI nunca esteve tão próximo de uma escrita cuneiforme!
Imageológica. Icônica!


Como digo, inovação não tem sido o forte das redes sociais. Como explicar tanta proximidade com a escrita cuneiforme em tempos digitais?
O pior é que numa escrita cuneiforme existia todo um domínio e construção sígnia, o que definitivamente não ocorre aqui. Em geral, as pessoas nem sabem escrever por extenso muitos de seus emoticons.

O que salta aos olhos são que as pessoas estão perdendo a habilidade e motricidade para a escrita, estão indo para a mais simplória das  simplificações imagéticas, auxiliados cada vez mais pelas tecnologias que surgem em seus Smartphones, que tentam todo o tempo "adivinhar" e completar palavras. Atualmente basta uma sílaba ou letra para que se tente imaginar os pensamentos de quem escreve. 


E a próxima pergunta: "porque será?"

E de novo, respondo que, talvez porque ainda sejamos os mesmos seres primitivos que encontramos em formas simplificadas de comunicação a solução de tudo o que ignoramos ou não nos interessamos em saber ou fazer.

Se curtir e compartilhar é mais fácil do que construir, articular, verbalizar, porque perder este tempo?

____________________
Posts Relacionados: 

Em Tempos de Tintas Digitais: Escritos e Leitores - Parte I

Pensados a tinta e escritos à máquina 

Chegamos ao fim da leitura?

Você ainda escreve carta?


Geração Touchscreen


Nossa vida é nossa primeira ficção 

Contradições em vidas modernas



*
Siga:


O Blog em sua página do Facebook:


No Twitter: @ElianaRezende10
No Instagram: elianarezende2801


14 de mar de 2017

O Vendedor de Enciclopédias

Por: Eliana Rezende






Olhando pela vidraça da janela da sala, chegando como uma novidade esperada, vem o vendedor de enciclopédia. Eram eles que traziam o mundo em puzzle e informações à conta-gotas em formatos de verbete. 

Sempre bem engomados, ternos escuros, camisa de um branco reluzente. sapatos bem engraxados e as meias combinando ora com o sapato, ora com as calças, cabelos bem penteados, muitas vezes usando alguma pomada, sorriso aberto, voz macia. Ofereciam janelas para o mundo direto de nossas portas quando de dentro de suas malas faziam surgir coloridos livros, imagens, textos e toda uma parafernália de estímulo aos sentidos e à imaginação.

Sonhos, fantasias e até o mito de mascatear cultura vinham em meio à suas páginas ofertadas em diferentes composições e possibilidades. Muitas vezes folhadas ávidamente por dedos rápidos e olhares curiosos de clientes domiciliares.  

Materializavam o sentido do saber e informação de um mundo que corria analogicamente, com notas de rodapé e com pesquisas cruzadas manualmente. Artefatos construídos com rigor interno e estética que fosse agradável aos olhos. Em grandes formatos favoreciam a visibilidade de letras e imagens, as capas duras ornadas em detalhes dourados faziam a diferença em qualquer prateleira ou estante. Perfiladas lado a lado davam a dimensão da abrangência dos temas que tratavam. Tê-las, por largos tempos era sinônimo de status social e cultural. 



As enciclopédias não eram para apressados, diletantes ou preguiçosos. Eram para os que tinham o prazer da degustação por caminhos de indagação e pesquisa. Por aqueles que de fato liam e buscavam conexões e compreensões. 

Eram para os que a noite davam aos filhos a opção de escolher entre coloridos livros infantis histórias de duendes, fadas, Sacis, Emílias. 

As enciclopédias foram por largos tempos sonhos de consumo e símbolo de status de camadas eruditas da população. Tê-las significava entre outras coisas ter acesso a um conjunto de informações diversas e grandes possibilidades de gerar conhecimento.

Mas o tempo foi passando e o personagem com o terno engomado e sua mala preta cheia de livros e folhetos demonstrativos não encontra mais nossas portas.Subiu no seu fusca e nos abandonou no tempo e no espaço.
Hoje é uma rememoração distante, quase perdido nas névoas do tempo. 


O mundo wikipediano não tem mais lugar para este tipo urbano que habitou por tantas décadas nosso imaginário. No mundo de web 2.0, 3.0 o que temos são links, hiperlinks e uma enciclopédia colaborativa escrita por anônimos e reconstruída todos os dias. Suas fontes, muitas vezes duvidosas e equivocadas, são consultadas milhões de vezes em todas as línguas e dialetos possíveis e servem aos tempos que temos: de pressa, superficialidade e muitas vezes incapacidade de pesquisar, ler, compreender, construir conexões e tecer elucubrações e sínteses.

Não há aqui saudosismo piegas: há apenas a constatação da configuração de um novo tempo e de nossa relação com estes saberes constituídos e reunidos em um determinado local. 

O saber era algo hierarquizado, localizado por verbetes e armazenado para consumo linear. Hoje a leitura e a apropriação da informação segue diferentes trilhas e possibilidades, algumas bem rasas outras com algumas laminas de profundidade.

O futuro será o melhor juiz deste tempo que produz informação como nenhuma outra época da história da humanidade, mas tenho cá minhas dúvidas se a produção de conhecimento obedeça a mesma métrica e curva ascendente. Temo que a qualidade apresenta-se inversamente proporcional à quantidade.